Loading...

Q U E M   S O M O S

Nossos Objetivos

– Propiciar  às  escolas  públicas,  particulares e as universidades da região, mais um pólo para a Educação Ambiental;

– Criar um ponto turístico de caráter ecológico-pedagógico, para atingir turistas, moradores da região de Campos do Jordão e estudiosos de todo o Brasil;

– Criar um  banco de dados da Fauna de Lepidópteros da região de Campos  do Jordão;

– Repovoar, através de um plano de manejo espécies de borboletas existentes e que já existiram nas imediações da cidade de Campos do Jordão proporcionando a revitalização parcial da flora da região;

– Escolher espécies de borboletas para criação e conduzí-las para um aumento do número de indivíduos, dentro do borboletário;

Imprensa

Patrocinador / Apoio

Seja um colaborador  desta ideia.
Entre  em  contato  conosco  e  conheça  mais  sobre  esse  lindo  projeto,  pelo e-mail contato@floresquevoam.com.br,  ou  pelo telefone (12) 3663-6444.

Aguardamos você!

O Passeio

Ao chegar no Flores que Voam, os visitantes são convidados a assistir a um vídeo de aproximadamente 12 minutos, onde relembramos as fases da vida da borboleta e outros pontos importantes.
Após assistir o vídeo, você irá literalmente sentir a emoção de caminhar em meio às borboletas em um lindo jardim.

O borboletário funciona de quarta a domingo, feriados e todos os dias de julho, das 10:00h às 15:00h.

. Meia – R$ 15,00

  • A partir de 7 anos; Estudantes com carteirinha; 3ª idade acima de 60 anos;

. Inteira – R$ 30,00

Crianças abaixo de 7 anos não pagam, adquira seu ingresso na bilheteria do Borboletário.

 

 

As Borboletas

As Borboletas são insetos pertencentes a ordem Lepidóptera (do grego “asas com escamas”) que incluem também as mariposas. As borboletas são predominantemente diurnas, e se alimentam de néctar e frutas em decomposição (Brown Jr. & Freitas, 1999). A maioria das espécies de borboletas possui asas com cores vivas e são fáceis de se identificar no campo (Otero, 1971).
Os insetos compreendem mais da metade dos animais existentes no planeta, com cerca de 715.000 espécies. Levando-se em conta o número elevado de espécies, os insetos ainda são muito pouco usados como “Bandeiras”, na preservação e conservação de áreas naturais (Freitas et al, 2003).
Sendo assim, a construção de borboletários vai ao encontro a uma série de necessidades científicas e educacionais, conectando valores da sociedade com educação ambiental e conservação.

As borboletas são animais que evoluem há milhões de anos.  Como  outras  espécies, precisaram também do recurso da adaptação para continuar a  existir  e  a  deleitar  nossos olhos  com  suas cores variadas e seu bailado harmonioso em busca de alimento.

As borboletas estão  na seguinte  classificação  biológica: Filo Arthropoda, Classe Insecta e Ordem Lepidóptera. Em seguida,  se  dividem  em  famílias.   Os  critérios  utilizados para agrupá-las em famílias costumam variar de acordo com os grupos de cientistas.  A  denominação das borboletas se dá por dois nomes. O primeiro refere-se ao gênero e o segundo a diferença especifica, ou seja, à espécie.

As borboletas atravessam  quatro  fases de transformação: o ovo, a lagarta, a pupa e, finalmente, o imago, que é a borboleta adulta.

Oviposição

A fêmea  fecundada  procura  a  planta  hospedeira  para  fazer a oviposição, isto é botar os seus ovos.
O  ovo   é   uma  estrutura  rígida  que  resiste  a  variações  ambientais  e  possíveis  ataques   de predadores.

Lagarta

Em  condições  ambientais satisfatórias, os ovos eclodem em média em 12 dias, dando origem às larvas.
Para  evitar  os  predadores,  elas  permanecem  imóveis  durante  o  dia,  para  se camuflarem e mimetizarem com o ambiente, outras possuem espinhos ou pelos urticantes.

Pupa

As  lagartas  trocam  de  pele, ou  casca, de quatro a oito vezes. Depois de várias transformações, elas se imobilizam e, trocando  de  pele  mais  uma vez, fixam-se de cabeça para baixo num tufo de  seda  com  cola.  Transformam-se,  assim, em pupas. As lagartas, ao se empuparem, soltam a casca que as recobrem.

Imago

Em  alguns  dias,  as  borboletas nascem rompendo a camada da pupa. Durante o seu vôo inicial, elas se desfazem  dos  excrementos  acumulados  no intestino. Na maioria das vezes, o macho já esta a espera para o acasalamento.
A vida  das  borboletas  é  muito curta.  Em média, elas vivem duas semanas,  excepcionalmente podem viver por um ano.

O corpo  de  uma  borboleta é composto por três partes principais: a cabeça, o tórax e o abdome. Um exoesqueleto rígido protege e emoldura as partes da borboleta.

Cabeça

Na cabeça ficam os órgãos sensoriais e de alimentação. Elas não possuem boca, mas palpos que são  usados  para  sentir e testar os alimentos. Os olhos são compostos por milhares de pequenas lentes,  chamadas omatídeos,  que  possibilitam  uma  visão  de  360  graus.  Embora  limitada  a algumas cores, podem alcançar o espectro do ultravioleta. Na cabeça ficam também as antenas que  servem  para  orientar  o  vôo  e  detectar  odores.  Uma  pequena  tromba  dupla, chamada espirotromba, serve para sugar o néctar das flores ou o suco dos frutos.

Abdome

O  abdome  é   um   longo  tubo  segmentado.    Nele  ficam  os  órgãos  reprodutivos,  o   sistema circulatório com coração  e  os espiráculos que permitem a passagem de ar, através de uma rede de tubos chamada traqueia. Os machos possuem um par de garras para prender a fêmea durante o acasalamento.  Já  as  fêmeas  têm  um  abdome  mais  gordo  para abrigar os ovos, e um saco lateral  para  receber  o  esperma  masculino.  O aparelho  digestivo  é adaptado  para uma dieta exclusivamente liquida, constituída principalmente pelo pólen e néctar das flores.

Tórax

No  tórax  ficam  os  aparelhos  locomotores  das  borboletas, que são as pernas e as asas. Os pés também  são  usados  para  provar  os  alimentos.  Já  as  asas  conseguem  absorver e  transmitir energia  solar  para  o tórax  o  que  possibilita  a  sua transformação em força motriz, que gera o bater das asas.  O colorido  das  asas decorre de milhares de escamas microscópicas justapostas. São de 200 a 600 escamas por milímetro quadrado. As  borboletas  podem  voar  até 50 km  por hora. Através do vôo, elas conseguem respirar, pois o bater de  asas  é  que  controla  a  abertura  e  o  fechamento  dos espiráculos, que são pequenos orifícios  espalhados  ao  longo do tórax, por onde entra o ar.  O  bater  de asas também ajuda na sucção de líquidos pela espirotromba.

O  principal  objetivo  de uma borboleta adulta é a reprodução. Na maturidade sexual os machos procuram  as  fêmeas  e  produzem  uma  espécie de perfume que as excita. No acasalamento, o esperma   masculino  é  transferido   para   um   saco  lateral,  dentro  do   abdome  da fêmea.  A fecundação  só  acontece  no  momento  da oviposição,  quando  a borboleta  fêmea comprime a bolsa com o esperma. Na  natureza,  de   cem  ovos,  apenas   dois  conseguem se transformarem efetivamente em borboletas.  Sobreviver até a fase final é muito difícil. Porque uma parte das borboletas são alvos de predadores, tais  como aranhas, pássaros, lagartixas, grilos e formigas, em todas as suas fases de transformação, desde o ovo até a da fase adulta.   O restante é vitima de condições climáticas adversas, como frio, chuva, vento e ainda vírus e bactérias.

Fotos

TESTE 1232

Danaus plexipus

Heliconius beschei- Maracujá

Hamadryas februa

Leptophobia

Methona themisto

Caligo teucer

Coleas lesbia

Eueides aliphera

Heliconius erato

Biblis hyperia

Battus polidama

Anteos menipe

Anarthia amathea

Agraulis vanille

Adelpha

Actinote

Caligo arisbe – Bananeira

Localização

Av. Pedro Paulo nº. 7997 – casa 01, Km 10 do caminho do Horto Florestal –  Campos do Jordão

Siga as placas indicativas do Horto Florestal que existem desde o portal da cidade, quando estiver na Av. Pedro Paulo (caminho do Horto), que na verdade é uma linda estradinha, já estará na estrada que leva ao borboletário, pois estamos a 3 Km antes da chegada ao Horto, ou seja no Km 10. Quase chegando, a sua direita, uma placa indicando a entrada do borboletário, que fica a esquerda para quem vai no sentido do Horto. Entrando a esquerda, você anda uns 300 metros numa estradinha de terra bem conservada atravessa uma pequena ponte e pronto chegou!!

Logo verá a sua direita a entrada do borboletário, com um grande painel com as fotos de nossas borboletas.

Fale Conosco

Aberto das 10:00h às 15:00h

Endereço: Av. Pedro Paulo nº. 7997 – casa 01, Km 10 do caminho do Horto Florestal –  Campos do Jordão
Telefone: 12 3663 – 6444

Preço: Crianças de 07 a 10 anos, estudantes com carteirinha, 3ª idade acima de 60 anos – R$ 15,00. Inteira – R$ 30,00. Crianças abaixo de 07 anos não pagam, adquira seu ingresso na bilheteria do Borboletário.

Please wait...

LOJA DO MEL

A Loja do Mel é patrocinadora do “Projeto Abelha “, mais um projeto de educação ambiental dentro do borboletário Flores que Voam.

Loja 1 – Av. Frei Orestes Girardi, 3399-A – Jaguaribe
Horário de funcionamento:
Quarta a Segunda, das 9h às 17h. Tel.: 12 3664 – 6573

Loja 2 – Caminho do Horto Florestal, Km 10 (Dentro do borboletário)
Horário de funcionamento:
Quarta a Domingo, das 10h às 15h; Feriados; Todos os dias de Julho.